Juliana
September 24th

<< November 2017 >>
Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat
 01 02 03 04
05 06 07 08 09 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30


If you want to be updated on this weblog Enter your email here:



rss feed



Aug 19, 2007
Deus está morto.

O cotidiano possui especificidades que acabam ditando se uma vida é boa ou ruim. Digo, não há euforia que se baste caso todos os dias, no instante em que descer a escada do metrô, ele apite e você dê uma corridinha sem jeito e ele feche a porta e vá embora. Ou todo o dia derrube Nescau na sua blusa logo de manhã. São pequenas coisas que fazem parte de um todo. Que é a sua vida, que é o Como vai você?

Dentro da personalidade de cada indivíduo existe o manual, onde estão descritas com riqueza, e várias setas, quais são os detalhes tão pequenos que ditam sua forma de encarar a vida.Pelo menos comigo é assim.

Boa parte das minúcias do meu dia-a-dia foram construídas baseadas no meu relacionamento com a Televisão. Com T maiúsculo, sente o respeito.

Ora, eu acordo e mal abro meus olhos, ligo a Tevê e vejo qual mensagem Deus quer me dar de acordo com o que estiver passando. Se eu acordo e está passando, sei lá, "Contatos imediatos de terceiro grau", sem chance nenhuma de eu ter um dia ruim. Na verdade, isso é Deus me mandando um "Beijo, Tô com saudades".

Chegar em casa e ligar a Tevê para mim tem a mesma simbologia e a mesma importância que tem para os Budas ajoelhar e apoiar com a testa no chão, ou para um hare krishna cantar hare krishna krishna krishna hare hare.

Ver Scrubs e Seinfeld quando chegar em casa. Sempre. Não há dia ruim que resista a Scrubs e Seinfeld. E não é como se fosse a mesma coisa ter os Boxs em casa. É claro que quero, mas o Box não vai refletir em nada na minha relação com o Todo Poderoso. Pois, assistir a um episódio aleatório quando se chega de um dia banal, é onde está a morada do Senhor para mim.

É quando antes de dormir, sem maiores expectativas sobre a vida, o dia seguinte e tudo o mais, você muda de canal e está a começar "Army of the darkness". Um grande suspiro se segue e você volta a acreditar em toda a luz celestial. Você sente a luz divina queimar em seu coração ao ver Ash com seu braço de moto-serra na idade média.

Estou sofrendo, pois não tenho mais isso. Não tenho mais Televisão. Não o aparelho, mas a Net Mágica que vinha por um cabo mágico foi cortada.

E ir à locadora e ser óbvia, alugando algo, não me deixa em contato com a minha espiritualidade. Vivendo em mundo sem Deus, baseado no meu livre-arbítrio e nas minhas próprias escolhas. Sem mensagens, sem luz, sem amor. Deus está morto. Estou com frio.

 



Currently watching:
Peanuts - A Boy Named Charlie Brown
Staring David Carey



Posted at 12:49 pm by Juliana
 

Aug 10, 2007
Elementar, Elementar.

Alguns dias atrás fui fazer uma entrevista para entrar em um curso de edição cinematográfica. Isso mesmo, entrevista. Mais uma dessas coisas bestas que nos submetem durante o longo percurso da vida, mas tudo bem, já que esse curso tenta criar a ilusão de que é uma instituição de ensino superior. Mas, não é e tal. Então, o máximo de importância que conseguiram se dar foi criar essas entrevistas babacas pré-inscrição, que sempre gera comentários do tipo "Entrevista? Pra curso? Ué?".

Fui lá e tive uma experiência soturna. A primeira pergunta do gordão de barba branca (É claro que tinha que ser um gordão de barba branca. Por que esses sujeitos são sempre assim? Será que eles querem se parecer, sei lá, com Deus?), foi: "Por que Cinema?".
Tinha me deliciado com um expresso duplo há alguns minutos e fui acometida por uma certa hiperatividade – já que estava sendo entrevistada por Deus - e respondi a pergunta como um Hamster doido de crack. Um  hamster doido de crack falante, é claro. Disparei informações, e não me lembro exatamente do que disse, mas dentro de algum contexto esquisito que criei mencionou Ren & Stimpy e filmes de samurai. Acho que mandei bem.

E depois de uma série de perguntas cretinas, a última foi: E o cinema Brasileiro?

Franzi os lábios. Fiz uma série de sons não identificáveis com a boca e disse: "Ah, não. Não gosto, não. Glauber Rocha, Sertões * mais sons estranhos com a boca *, não curto mesmo. Mesmo. Mesmo". Ele me sorriu paternalmente e declarou fim da entrevista.

Ao sair da sala deparei-me com o pôster do Glauber Rocha no corredor que, para se ter idéia da dimensão, o olho dele era do tamanho da minha cabeça. Elementar, elementar.

Ligaram-me depois dizendo que "passei na entrevista". Eu disse: "Ah, é? Foda-se".

Mentira, mas, eu não vou mais fazer o curso. Teria que ver filmes brasileiros e, ainda por cima, analisá-los. Ia ficar cheia de coceira e toda empolada. Só de pensar minhas vias respiratórias fecham-se. E ter aula com gordão quase-Deus.

Estou mentindo, eu queria fazer sim, mas minha mãe não deixou e tal. Disse para eu arrumar um emprego e pagar o curso se eu quiser. Não entendi nada. Ela me amava tanto quando eu era pequena e agora quer que eu trabalhe? Controlei o ressentimento. Não seria exagero afirmar que me senti magoada até os gorgomilos.

(...)

Na busca de alívio imediato ao coração, voltei pra casa dos meus pais – não que algo que eu tenho seja meu e não dos meus pais, até o cheiro do meu cabelo é dos meus pais e não meu, mas não vamos entrar no lado ético das coisas. – era meio de semana, quarta –feira, e eu tenho aula e estágio. Tudo é de mentirinha, mas tecnicamente eu tenho que comparecer com minha fragrância e sorriso em certos lugares e dizer que estou lá. Mas, eu nunca realmente estou lá. Geralmente estou a cantarolar mentalmente músicas que acalmam minha alma ou a me perder em devaneios sobre velhos clássicos da Disney. Mas, o corpo tem que estar lá.

Não podia, mas fiz mesmo assim. E o pior, não consigo sentir culpa. Nem desespero. Só um leve zumbido no ouvido esquerdo que vez ou outra me aparece.Não sei o que está havendo comigo. Não que tenha algum grande mistério no fato de eu preferir dormir até de tarde a ir para aulas castradoras e um trabalho onde meu único desafio é não comer o cookie que sai quentinho às 16hs na padaria do lado. Que eu sempre como.

Mas, eu não consigo me importar, e antes eu meio que me importava sim. As coisas estão acontecendo e não consigo acontecer junto. Sinto-me um pato no meio da lagoa que desistiu de nadar e fica dizendo para os patos que passam por ele: "Qual o propósito?". Sou um pato com medo dos horrores inomináveis que me aguardam. Dia desses sonhei que um palhaço tirava coisas esquisitas da minha gengiva. Não sei qual a mensagem do meu inconsciente com isso, mas admito que cambaleei.

(...)

Embarco em ternas paixões um pouco rápido demais. Não sei se por me sentir um pouco solitária em meus interesses, basta algumas coisas em comum, que já estou a sentir um formigamento na região da testa. É o primeiro sinal que recebo do meu organismo de que estou preste a cair na armadilha do amor. E logo em seguida uma orquestra de metais começa a tocar.




Currently watching:
Batman - The Animated Series, Volume One (DC Comics Classic Collection)
Staring Batman the Animated Series



Posted at 03:56 pm by Juliana
 

Jul 25, 2007
Só Pai Mei tira os demônios do corpo.

Viajar é uma coisa estranha. Não sei definir ainda como me colocar nas rodas de conversa sobre viagem. Eu gosto, não gosto? Não sei. Tudo o que eu sei é que fico exageradamente feliz em voltar para casa e beijar minha rata. Que já está uma bela ratazana, devo dizer.

Gosto do processo. Arrumar mala, comprar coisinhas, pular empolgada pelas ruas imaginando minha viagem, andar e estar em outro lugar, forçar o sotaque para ser paquerada, saber que estou muito longe dos meus vizinhos pagodeiros e das pequenas irritações cotidianas, do tipo ligar para a vivo.

Gosto de tudo isso, é claro, mas, nos últimos dias eu sempre viro a Dorothy e só quero ir para casa. É mais ou menos nessa fase que o asco começa a despertar e as implicâncias expurgam como uma alergia indesejada. É quando o capeta fica solto.Ficou claro?

Deixe-me explicar usando "O Exorcista" como base comparativa.

Todos temos demônios no corpo. Não há Jesus que os tire. Só que, escondemos nosso satanás interior e ele só vêm à tona quando relaxamos um pouco mais, e finalmente podemos ser nós mesmos. Não saímos levitando ou girando nossas cabeças assim na frente das visitas, não pegaria bem. O que acontece com as viagens, lá pelo terceiro ou quarto dia de convivência crônica, sem nem perceber estamos descendo as escadas de costas e de quatro numa rapidez assustadora.

Geralmente começa durante uma festa com você interrompendo uma cantoria coletiva e urinando por horas na frente de desconhecidos. Essa cena é na realidade um bom exemplo sobre as festas das viagens onde você bebe demais e começa a mostrar um pouquinho do demônio que existe em você. Só dando uma suspeita.

A partir de então, quando você menos espera está levando uma vomitada verde na cara. E tem que se limpar e fingir que nada aconteceu. Coisas da vida.

Acontece com todos, mas existem possessões demoníacas e possessões demoníacas. E vai depender disso ai, para seu futuro pós-viagem com seu cônjuge ou amigo. E esse exemplo vale para viagens e morar junto. Não vale para convivências de 10 anos, 15, foda-se. Só vale se em algum momento houve 24hs juntos que durassem pelo menos seis dias. Não expliquei direito para evitar a fadiga, mas é tudo verdade. Está nos filmes de possessão. Estão cheios de metáfora de viagens, casamento e relacionamentos. Open your eyes, seus putos.

(...)

Passei ao todo 40 horas em um ônibus. Ida e volta, ou seja, o ônibus corresponde a 23% da minha viagem. Número totalmente aleatório, mas de coração.

Grande feito: não usei o banheiro do ônibus uma única vez. Sou discípula de Pai Mei, sou uma danada. Usei o banheiro das paradas feitas durante o percurso. Os banheiros mais David Lynchs que já vi. Eram gigantescos, e espelhados. Quer dizer, deviam ser só espelhados, eu caio no truque do espelho, mas tinham fontes d' água bem no meio do banheiro. E as pessoas mais esquisitas tomavam conta deles. Mistura de Log Lady com Vera Verão. Imagine se puder.

O interessante de se viajar com um grande grupo de pessoas, é que quem você poderia achar remotamente interessante, se torna um Paraíba chato em menos de 10 km de viagem.

Individualmente pode parecer uma bela e sensata pessoa, mas basta um grupo e ele se torna um macaco primitivo. Porque?

Resposta: Gremlins. Está lá, vai assistir.

Individuais somos simpáticos bichinhos chamados Mogwais.O que acontece com os mogwais quando entram em contato com a água ou são alimentados após a meia-noite? Multiplicam-se. E se tornam os gremlins verdes. Precisa explicar?

 



Currently watching:
Afro Samurai (Director's Cut)
Staring Samuel L. Jackson



Posted at 09:57 pm by Juliana
 

May 11, 2007
Então eu corro demais, sofro demais, corro demais.Só pra te ver, meu bem.

Meu problema número 157 dos motivos que explicam o por que de várias coisas, e que somando tudo, talvez esteja a resposta da grande pergunta: A porque danço tão mal.

Bem, senhores, sofro de excesso de vaidade e orgulho, e careço de dons e talentos.Faça a conta e descobrira o porque desisto tão fácil de tudo e choro em banheiros públicos em uma certa freqüência embaraçosa.Sou da índole de que se não nasci sabendo, não quero cometer a gafe de ficar tentando e jogar o nome Bernardino na lama.Então, com classe faço-me de distraída e não envolvida pelo tema em questão, e não deixo transparecer a senhora gorda e insegura que grita dentro de mim melodramaticamente e bêbada.Nojento, patético.Enfim.

(...)

Professores tarados, hun?Não imaginava que houvesse tantos.São como pombos.(?)

É como se todos fossem tarados adormecidos, a almeja de um olhar mais prolongado para despertar a sem-vergonhice e humilhar-se como um...Professor Tarado.Não consigo imaginar nada mais humilhante para fazer a comparação.

(...)

A convivência destrói personalidades excêntricas.Se o sujeito excêntrico é forçado a algum tipo de socialização, logo terá suas peculiaridades reprimidas, pois sucumbira a pressão dos demais, e por medo da solidão, estará escutando Cazuza em poucos meses.Óbvio, estou sendo exagerada e trágica, talvez não Cazuza, mas coldplay e U2.

(...)

Dia desses fiquei sem TV.Em pleno domingo e vi que sou uma coisinha dessas que não vive sem aquela esquizofrenia visual.Tinha que ver, fiquei triste.

(...)

Porque todo personagem que desenho tem alguma parte do corpo amputada?Quando não, é uma mistura de homem e inseto?

Percebo também um favoritismo por tapa-olho de pirata e bigodes de Salvador Dalí.Desenhar é assustadoramente revelador.

 






Posted at 08:39 pm by Juliana
 

May 3, 2007
Conversa Online com irmão

Rafael diz:GENI! EU CONHEÇO MEU POVO!

Juliana diz:voce vai falar assim pra BESTA do Herculano, só toca em mim CASANDO

Rafael diz:GENI!!!! GENI!!!

Juliana diz:geni, eu estava BEBIDO.

Rafael diz:HAHAHA...

Rafael diz:MINHA MULHER ERA UMA CHATA!!!!

Juliana diz:hahahaha

Juliana diz:papai, eu nao vou ao seu enterro.

Rafael diz:MEU PAI ! ESTA MULHER É UMA SANTA !

Juliana diz:hahahaha

Juliana diz:vai-te embora rapaz

Rafael diz:ME LARGA ! ME LARGA !

Juliana diz:hahahaha

Rafael diz:HOAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!!!!!!

Juliana diz:haaaaaaaaahahahahahhahahahahah

Juliana diz:o ladrao boliviano

Rafael diz:NÃO POSSO MAIS.........E DÁ SAUDADE É QUE TRAZ EU QUERO PAZ.........

Juliana diz:bandeira branca amor.

Rafael diz:O quê?

Juliana diz:a musica, "bandeira branca amor, nao posso mais..."

Rafael diz:digita logo PORRA.

Rafael diz:HÁAAAAAA.....

Juliana diz: Tem essa parte, com os ladrões cantando.

Rafael diz: Sim ..mas como que vc sabe o nome da musica....os ladrões não mencionam ela?

Rafael diz: Hi ! Não entendi nada !

Juliana diz: esquece, patricio

Rafael diz:O seu filho fugiu ! Com o Ladrão Boliviano !

Rafael diz:COM O LADRÃO BOLIVIANO!!!!

Juliana diz:hahahahhahah

Rafael diz:HERCULANO !!! QUEM TE FALA É UMA MORTA !!!

Rafael diz:HALF ..........FAMILIA !!!!!!

Juliana diz:FAMILIA

 

 






Posted at 05:48 pm by Juliana
 

Apr 20, 2007
Um Momento Só Meu ou Madness?This is Spartaaaa!

Violentada sexualmente por essa perversa e indelicada senhora chamada Vida.Era noite e a rua estava vazia e a Vida foi e yadda-yadda em mim.

Tamanha perversidade desse mundo capitalista em cima de nós jovens - adoradores de queijo e milk-shake -, nos forçando a ser alguém e arrumar emprego e pensar no futuro.

Bárbaros!Bárbaros!

Um basta para tal tirania, todos juntos na luta a favor de tardes livres assistindo Tubarão dublado.

(...)

Não quero amadurecer, não estou pronta.Ainda como cheetos, caros amigos, como posso ter condições emocionais e lógicas para a realização de serviços para terceiros.

Nego indolentemente o pedido de uma mãe – observem, a senhora que me deu à luz – por um simplório copo d’água.

Acontece que não importe qual trabalho me é oferecido sempre dou preferência a cochilos longos no sofá, ou conversas sofisticadas sobre Evil Dead com a minha rata Alice.

Mas, de que vale a minha boa vida de playboy, se cadê vez mais os meus singelos colegas de estrada são consumidos por ambições alucinantes – sim, ultrapassam o limite da realidade – de emprego e pagar pela suas próprias quinquilharias e hábitos que escapam de minha compreensão, como ‘churrasco de turma’.

(...)

Churrasco de turma é uma curiosa festa realizada por pessoas que se encontram obrigatoriamente todos os dias em algum estabelecimento fechado ou não.Costumam usar bermudas e blusas regatas em tais eventos, falam alto e são possuídos por vulgares sentimentos de euforia, em parte por estarem em grupo comendo o que se caracteriza por um animal morto, em outra parte por estarem bêbados e de regata.

(...)

Meus colegas almejam o sucesso para pagarem por sua própria carne e bebidas enlatadas e roupas de mau gosto.Não compreendo, criaturas, não compreendo.

Por que pagar por coisas que se pode ganhar?, diz a voz de John Travolta em minha cabeça.Ou se for esperto e rápido, até furtar.Vale tudo nessa terra de meu Deus.

Eu só queria que os laços de amizade entre nós fossem fortes e tivéssemos longas conversas que, acidentalmente, sempre terminassem em uma grande cantoria coletiva.Ah, as grandes cantorias coletivas, momentos inenarráveis pelo o meu tolo coração.

Mas, infelizmente estão sendo consumidos pela ganância, ambição, trairagem, e todas aquelas coisas que tinha no anel do mal do Senhor dos Anéis.Se antes eram dóceis hobbits, agora estão no processo de metamorfose para Gollum e eu observo tudo, de longe, meio sonolenta, mas com a sagacidade de uma raposa.É claro, de uma raposa sagaz.

Todos não vêem a hora de vencer e ter o poder nas mãos.São tão cultos e mais inteligentes do que eu, é um mistério como até hoje usem gírias como “irado” e freqüentem festas de música eletrônica.

Lutam por um emprego de poder, com violência atropelam-se pela chance de tratar imagens no photoshop e fazer banners de farmácia ou supermercado, o que vier primeiro.Haja evolução de espírito para grandiosas tarefas.
Às vezes me pergunto se tenho a maturidade emocional que tal trabalho me exige.Se tamanha responsabilidade, aliada ao glamour, nas mãos não me subiria à cabeça e em um futuro próximo, estaria eu a me secar com duas toalhas após o banho.

Que Michael Jackson me tornaria, e com uma espantosa facilidade. Como qualquer jovem estrela me tornaria egocêntrica, vaidosa e só saberia pensar em mim e no meu sucesso.Oh, bloddy money.

Por isso, opto pela distância de universo tão perigoso, cheio de encruzilhadas e armadilhas para o ego.
Em um mundo de traições, mentiras, assassinatos, gente gritando, tomate seco com rúcula, prefiro calar-me e deixar que a preguiça e indolência dominem meu corpo e mente.O que faço de um jeito especialmente charmoso e carismático.
Basta um olhar perguiçoso e uma voz sonolenta e, pronto, subitamente sou coberta de beijinhos e cosquinhas.

(...)

Enquanto isso, encontro-me neste incansável jogo de dominó com a Vida.Já desistimos de banco imobiliário, a safada virou o tabuleiro.


 




Currently listening to:
69 Love Songs
By Magnetic Fields



Posted at 05:26 pm by Juliana
 

Mar 25, 2007
I Wanna Be Made

Agora passo o dia inteiro sozinha encarando uma parede verde-piscina.E, entre um cochilo e um episódio de Made, tenho pensamentos pessimistas de que eu não sei fazer um montão de coisas e tenho preguiça de aprender.Com toda essa gana e determinação terei como profissão trabalhar em alguma padaria fantasiada de capuccino.

Ocasionalmente, meus colegas de turma da faculdade passarão por mim, vestindo ternos - todos de ternos, até as mulheres e quem trabalha como freelance – e dirão:

“Não tinha como ela acabar diferente, ela dormia em todas as aulas”.

“Sempre olhei para essa menina e pensei: ela daria um belo capuccino gigante e dançante”.

“Nas aulas de desenho ela desenhava cubos tortinhos e um gato sorrindo que parecia uma barata”.

“Tudo que ela criava parecia que tinha sido feito por uma criança bêbada”.

“Ela sentia sono O TEMPO TODO!Chegava a me perguntar se ela não estava sendo lentamente envenenada”.

“Tadinha.Tenho pena, sempre tive.Tadinha.Olha a carinha dela no meio da espuma de capuccino.”

“Surpresa foi ela conseguir esse trampo na padaria.Eu não daria e tal”.

 

Eu serei um belo e feliz capuccino dançante, trust me.

 

 



Currently watching:
Mork & Mindy - The Complete Second Season
Staring Jay Thomas



Posted at 12:24 pm by Juliana
 

Mar 5, 2007
80 Coisas Que Eu Odeio Em Você

Ainda não passei da fase de achar todo mundo estúpido.Asqueroso, né?Pois é, mas ainda estou convictamente vivendo este período.Acredito sim que essa é a verdade absoluta.Que somente 5% da população é namorável e 35% convivível.Ou seja, para namorar comigo é praticamente como passar em um concurso público.

Minha mãe diz que pela quantidade de frescura existente em meu ser, terei como punição dos céus me apaixonar por um asno.Com todos os defeitos que abomino.Não posso crer em tal blasfêmia.É realmente impossível isso acontecer já que um simples 'risos, rss, rss' em um email me faz sacudir as mãozinhas no ar cheia de nojo e repugnância.

Alguns exemplos do que me faz sacudir as mãozinhas no ar cheia de nojo e repugnância :

Maconha.

Capoeira.

Coldplay.

Godard.

Piercings

Glauber Rocha.

Escritores malditos.

Tatuagens feias – leia-se 98% das já feitas no planeta.Raros os tatuados atraentes – existem, mas raros.

Cortázar.

Pessoas que não assistem TV.

Gabriel García Márquez.

Orkut, Fotolog.

The Smiths & Companhia.

Quem repete slogan de propaganda engraçadinha achando engraçadinho.

O tipo que todo mundo acha engraçadinho.

Chico Buarque.

Rubem Fonseca.

Quem briga por divergências políticas.

Carioquices – sotaque carregado, malandragem, gírias cariocas, praia-posto 9,  lapa, samba, marras.

Acampamento.

Reggae.

Música eletrônica e todas as suas vertentes.

Raves

Drogas de rave.

Quem diz "Sou careta" quando recusa drogas.

Homem-bicha – vulgo metrossexual.

Poesia.

Esporte radical.

Quem usa a expressão "enlatado" referindo-se à seriados americanos.

Balada, Night, "Na night", "Sou da night".

A pergunta "Qual é a boa?"

Reticências.

Vícios de linguagem como: "E aí?", "entendeu?", "tipo", "tipo assim", etc.

Anti-americanismo.


Entre outras cositas.




Lembrando que sou educada e gentil.Sempre sorrio delicadamente e digo: Obrigada, mas não, obrigada.


Currently listening to:
I Don't Feel Like Dancin'
By Scissor Sisters



Posted at 02:53 pm by Juliana
 

Feb 26, 2007
Happy Times!

Tenho uma casinha nova, do tamanho de um botão e isso é um acontecimento feliz.Por mais que lidar com aspectos decorativos seja um pouco frustrante, eu vou vivendo sem dar os chiliques previstos por parentes.

Decorar e tentar construir um ambiente perfeito e harmônico é doloroso, quando chega o momento em que nos deparamos com a impossibilidade de beleza ideal que construímos na nossa cabecinha de unicórnio, uma cortina do mundo mágico de cada um despenca.Fazendo um  indesejado barulho e  deixando a  iluminção mostrar todos os defeitos do lugar.Um horror, um horror.

O ambiente platônico jamais existirá daquela maneira, e vários pequenos detalhes – alguns nem tão pequenos – vão me irritar e terei que aprender a conviver com eles e, ainda por cima, amá-los.Ai, que dureza.

São nesses momentos que fica bem claro a bichinha que eu sou.

(...)

Amanhã volto ao matadouro.Não fui hoje por que não ir ao primeiro dia é uma tradição que levo a sério desde dos meus dias de Julianinha.

Ir ao primeiro dia dá sete anos de azar, eu inventei e eu acredito.

Meu corpo se acostumou à moleza astral que venho levando e agora sou violentada a criar uma nova rotina operariada.Cheia de horários e encontros desagradáveis e café ruim.Queria que Deus parasse de me testar.





Currently reading:
Welcome to the NHK Volume 3
By Kendi Oiwa



Posted at 12:42 pm by Juliana
 

Feb 15, 2007
Lei de Pelé

"Aprendi com os judeus que se uma coisa vai bem na sua vida, uma ruim vai acontecer para equilibrar, entende."

O Pelé que disse.E, eu, pela carência de fé e crenças, acreditei e vivo isso.Repito a frase por ai, e digo que aprendi com os judeus também.Mas, não falo que acredito, sabe, pela total falta de chic da coisa.Mas, eu acredito.

Quando alguma situação acontece para equilibrar a vida, seja ruim ou boa, eu falo baixinho pra mim mesma: Pelé!

Como se ele estivesse por trás de tudo.

Nos últimos dias eu disse muitos "Pelé!"  para mim mesma.


Pelé consolando os seguidores de sua lei diz em tom de deboche: "Coisas da vida."

E logo em seguida começa cantar: You take the good, you take the bad,
you take them both and there you have The Facts of Life, the Facts of Life.





Currently listening to:
Satanic Panic in the Attic
By Of Montreal



Posted at 08:07 pm by Juliana
 

Next Page